Entenda o Proj. Antes do Fim do Mundo... e um pouquinho além.



Diário de Motocicleta

Você ceramente se lembra que o mundo ia acabar em 2012 por conta do Fim do Calendário Maia, certo? Então, qual era a melhor época para ir até o Fim do Mundo?

Com essa sacada, eu e a Elda partimos rumo ao Ushuaia em meados de Dezembro de 2012, carregados de ansiedade em cruzar a Patgônia e ver o Pôr do Sol no dia 22 de Dezembro - Dia do Fim do Mundo, en directo del Fin del Mundo.

Acontece que na altura de Floripa a Elda adoeceu, o que nos fez voltar para casa para deixa-la
No dia seguinte voltei para estrada afim de cumprir os contratos feitos com nossos parcerios.

Foi a primeria vez que viajei sozinho, e a loucura veio com a ausência da Elda, que durante oito meses planejou cada passo daquela aventura e agora, não estava mais comigo.

Os Ventos Patagônicos e o Rípio foram vencidos, vi pinguins, neve, viajei com a luz do Sol até as 23h, e não vi o Pôr do Sol no dia 22, por que estava chovendo, mas eu estava lá... no fim da RUTA 3 - eu desci por ela, e subi a RUTA 40, curtindo cerca de 850 km de rípio.

Apesar da companhia de muitos amigos, chorei sozinho por passar as festas de Fim de Ano longe da minha filha, por não estar com a Elda no dia do seu aniversário, e por vezes, atônito diante das tantas coisas que descobrimos sobre nós mesmo, quando estamos no mundo sem ninguém.

EL HUESO PERDIDO - O PIOR HOTEL DA VIAGEM

Cidade: Caleta Olivia/AR | Categoria: Onde Dormir
Postado em: 11/4/2013
Diário de Motocicleta

Qual seria a sua expectativa ao se hospedar em um hotel chamado El Hueso Perdido (O Osso Perdido)?
Como de fato, a estadia foi bem “osso”, num lugar praticamente perdido no meio da Patagônia.

Os planos era ficar em Comodoro Rivadavia, aproximadamente uns 80 km ao sul. A mudança se deu por conta da leitura de um artigo onde o amigo e patrocinador do Diário de Motocicleta – André Carrazzone da Go Ahead Segunda Pele – indicava esta cidade como sendo mais barata em matéria de estadia e alimentação. Porém, com a crise na Argentina os preços estavam iguais aos praticados em Comodoro Rivadavia, com a desvantagem de possuir poucas opções de hotéis.

Acabei ficando no El Hueso Perdido que lidera a lista TOP FIVE dos piores hotéis desta viagem ao Ushuaia.

Velho, com mobília e roupa de cama do século passado ou anterior, o hotel oferece wi-fi apenas no saguão, enquanto o quarto conta apenas com uma TV. O chuveiro é um drama a parte, com pouquíssima pressão e temperatura praticamente ambiente.

O cúmulo da economia foi encontrar no banheiro meio sabonete sobre a pia... isso mesmo, meio sabonete cortado na faca.

O hotel cobra o café da manhã à parte - $ 20,00 Pesos – cerca de R$8,50 na época. Veja a foto do café da manhã continental.
Aleguei que não haviam me dito que existia cobrança extra sobre o café da manhã e pude me deliciar de graça.

O Hotel também não oferece estacionamento fechado e coberto, ficando a moto na frente do hotel.

Só aceitam dinheiro e me cobraram absurdos $ 200,00 Pesos – cerca de R$ 85,00 ou US$ 40,00 na ocasião.

Logo a frente existe outro hotel, de gabarito, mas que cobrava R$140,00 a diária – como se tratava de uma noite, fiquei naquela espelunca mesmo, até por que viajava sozinho. Com a esposa eu não recomendo esta estadia, a não ser que o divórcio esteja em andamento.

O El Hueso Perdido não tem site e fica na Avenida San Martín, esquina como a Calle Chubut – Caleta Olivia – Argentina. Tel.: 4851393

fotos relacionadas
Parceiros neste projeto