Entenda o Proj. Caminho do Peabiru



Diário de Motocicleta

Eu ainda estava publicando dicas sobre o roteiro para Salvador feito no ano anterior, até que o meu telefone tocou.
Do outro lado da linha uma voz feminina queria falar com o resposnável pelo Diário de Motocicleta, e saber se eu já havia uma próxima aventura em vista.

Achei legal alguém me ligar para peguntar isso! E quando respondi que tinha alguns roteiros na cabeça, ela começou a se paresentar, dizendo que havia acompanhado o nosso Proj. Êxodo de Moto, e que falava por parte do Salão Duas Rodas - a ideia de divulgar o 11º Salão Duas Rodas de 2011 começava ali.

Bastou uma reunião para eles aprovarem o roteiro que era quase uma lenda urbana de tão incrível.
Há tempos eu pesquivasa um caminho que teria sido contruído pelos INCAS, ligando o Litoral do Peru ao Litoral do Brasil, mais precisamente em São Vicente/SP.

O Caminho do Peabiru, que foi construído por INCAS e Índios Guaranis, serviu em meados de 1.500, como vias de acessos para Portuguese, Espanhóis, Bandeirantes e Paulista continetne a dentro, e este trânsito transformou o caminho "de Índio" em muitas ruas, avenidas e estradas que podemos hoje rodar.

Cruzamos o Paraná, Paraguai, Bolívia, Peru, Chile e Argentina, passamos pelo Lago Titicaca, motocamos a Cordilheira, conhecemos Machupicchu e vimos o Ocêano Pacífico.

Esta aventura terminou com a exposição da nossa moto no Salão Duas Rodas daquele ano, o que atraiu ao nosso stand, muitos apaixonados por viagens de moto que acompanharam nossa trip e, com alegria, passaram para nos dar um abraço.

ESTADIA EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA

Cidade: Santa Cruz de la Sierra/BO | Categoria: Onde Dormir
Postado em: 10/11/2011
Diário de Motocicleta

Depois de uma longa motocada contra o vento forte até Santa Cruz, encontramos o Hotel Villa Rosita que oferece uma boa infra-estrutura com sala de jogos, piscina com bar e restaurante anexado, estacionamento e amplos quartos.

O primeiro quarto que pegamos estava com problemas na fechadura, para trancar e destrancar a porta era necessário habilidades de MacGyver (rs)... depois constatamos que o quarto estava repleto de pernilongos, acho que deixaram alguma janela aberta para ventilar. Mas o problema mesmo surgiu com o ar condicionado que começou a pingar e logo se transformou em uma cachoeira. Ai não teve jeito, trocamos de quarto para outro no andar de cima bem amplo, com 3 camas e muito espaço.

O banho quente é muito bom .

Na piscina existe um bar/restaurante que serve refeições até as 21h e foi lá mesmo que jantamos por R$17,00 - dois sanduíches caprichados, uma porção de fritas, um refrigerante de 1 litro (não possuem menor) e duas garrafas de cervejas.

A desvantagem da estadia veio no café da manhã – nem perca seu tempo em descer para o “desayuno” – uma verdadeira lástima com frutas passadas, queijo e presunto com mau aspecto e muita mosquinha de banana sobre os sucos sem qualquer cobertura ou tampa.
É preciso coragem para encarar aquele café da manhã.

No mais, uma boa localização antes de chegar à cidade de Santa Cruz (centro) a sua esquerda, na mão que parte da cidade.

A diária foi de US$40,00 (quarto triplo, pois só havia este livre) e são aceitos Bolivianos ou Dólares mesmo.

O Hotel Villa Rosita fica no Km 5 Doble Via a la Guardia, Zona Carretera – Tel.: (591-3) 3525116 – site http://www.hotelvillarosita.web.bo

fotos relacionadas