Entenda o Proj. Caminho do Peabiru



Diário de Motocicleta

Eu ainda estava publicando dicas sobre o roteiro para Salvador feito no ano anterior, até que o meu telefone tocou.
Do outro lado da linha uma voz feminina queria falar com o resposnável pelo Diário de Motocicleta, e saber se eu já havia uma próxima aventura em vista.

Achei legal alguém me ligar para peguntar isso! E quando respondi que tinha alguns roteiros na cabeça, ela começou a se paresentar, dizendo que havia acompanhado o nosso Proj. Êxodo de Moto, e que falava por parte do Salão Duas Rodas - a ideia de divulgar o 11º Salão Duas Rodas de 2011 começava ali.

Bastou uma reunião para eles aprovarem o roteiro que era quase uma lenda urbana de tão incrível.
Há tempos eu pesquivasa um caminho que teria sido contruído pelos INCAS, ligando o Litoral do Peru ao Litoral do Brasil, mais precisamente em São Vicente/SP.

O Caminho do Peabiru, que foi construído por INCAS e Índios Guaranis, serviu em meados de 1.500, como vias de acessos para Portuguese, Espanhóis, Bandeirantes e Paulista continetne a dentro, e este trânsito transformou o caminho "de Índio" em muitas ruas, avenidas e estradas que podemos hoje rodar.

Cruzamos o Paraná, Paraguai, Bolívia, Peru, Chile e Argentina, passamos pelo Lago Titicaca, motocamos a Cordilheira, conhecemos Machupicchu e vimos o Ocêano Pacífico.

Esta aventura terminou com a exposição da nossa moto no Salão Duas Rodas daquele ano, o que atraiu ao nosso stand, muitos apaixonados por viagens de moto que acompanharam nossa trip e, com alegria, passaram para nos dar um abraço.

ESTADIA EM COPACABANA/BO

Cidade: Copacabana/BO | Categoria: Onde Dormir
Postado em: 29/12/2011
Diário de Motocicleta

Ao chegarmos em Copacabana, o Lago Titicaca toma toda a sua atenção, o que dificulta muito encontrar um hotel, mesmo havendo uma infinidade deles, um do lado do outro.

Após entrar em alguns, nos hospedando no Estelar Del Titicaca, um hotel bem na frente do Lago, com 4 andares, salão de café da manhã e quartos grandes com duas camas de casal e alguns com 3 camas de solteiro... realmente muito espaçoso e com uma vista para o Titicaca de tirar o chapéu. Os quartos ainda possuem terraço de onde é possível curtir o visual e a brisa que vêm do Lago, e para quem quer perder tempo... tem TV.

O banho é muito bom, embora o banheiro não tenha Box... apenas uma cortina de plástico que não interfere no relaxante banho quente.

O Hotel é relativamente novo, nota-se um ar de construção embora não haja entulho espalhado... aliás, o hotel é muito limpo.

Nos quartos não existe interfone para contato com a recepção e o sinal de Wi-Fi só chega ao primeiro andar. Nessa eu dancei, pois peguei um quarto no segundo andar e tive que descer até o saguão para poder enviar relatos para o site durante nossa estadia.

Como de costume, não há ninguém para te ajudar com as malas e quanto mais alto for o seu apartamento, mais escada terá que subir sozinho.

O Café da Manhã é de razoável para ruim... em toda a Bolívia não recomendo a perda de tempo em servir-se de café... aquela água escura pode ser qualquer coisa menos café.

Ainda em tempo, pode-se pedir pratos de refeição, o cardápio não é vasto e a cozinha fica aberta até às 18h.

Não há estacionamento, mas nos permitiram estacionar as motos no jardim do hotel, onde já existia a moto de um americano que estava motocando as Américas.

Nos foi cobrado B.60,00 por pessoa – B.120,00 por dia pagos diariamente, nada de acertar depois... isso acontece com hostels, mas tá valendo, assim mesmo o lugar é recomendado, porém atenção, não aceitam cartão e nem Dólares.

O Hotel Estelar Del Titicaca fica na avenida da orla, não encontramos o nome da calle e acabamos esquecendo de perguntar... mas não tem erro, basta chegara às margens do Lago Titicaca, em uma rua de terra que facilmente você verá o hotel.

Até o momento da publicação deste artigo, o site do hotel mantinha apenas duas fotos originais do mesmo, sendo que o texto apresentado se referia a outro hotel e seus links não funcionavam. www.estelardeltiticaca.com

fotos relacionadas