patrocinado por

27º DIA - 5 SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS EM CUSCO

27º dia de viagem
Dia: 26/8/2011 | Cidade: Cusco/PE | Categoria: Diário do Piloto
Diário de Motocicleta

Minhas pedras estavam inertes pela manhã e logo corri para resolver um problema que a muito tempo vinha me preocupando.

Para esta viagem depositei cerca de US$2400 em um Cash Passport Master Card com o qual poderia pagar estadias, restaurantes e até mesmo sacar em caixas da REDBANK.
Acontece que desde Asunción quando tentei usá-lo pela primeira vez, o danado deu erro.

Na Bolívia mais uma vez tentei sem sucesso e fui levando com a barriga pois ainda tinha alguns Dólares em espécie.

Meu amigo Mamute do Death Riders MC fez de tudo para resolver meu problema, isso por que na Bolívia e no Peru não existem números 0800 e o único era um telefone da Inglaterra... legal né!?

O Mamute com todos os meus dados ligou de Sampa, se passou por mim e descobriu que o cartão estava bloqueado... o mesmo foi liberado mas ao tentar pagar a estadia em Sucre, novamente deu erro.

Passei a Bolívia e no Peru não tinha mais como postergar.
Meu Brother Mamutex descolou um número a cobrar e me deu a dica, poderia solicitar a transferência para a Western Union e depois ir até uma loja credenciada sacar a grana... e assim eu fiz e em poucos minutos eu era um homem rico (rs).

Valeu Mamute pela força meu brother.

Com o cascalho no bolso, lá fomos nós, eu e a Elda para um City Tour por cinco parque arqueológicos aqui em Cusco mesmo.

Começamos por Qoricancha, um templo de culto ao Sol que foi destruído pelos Espanhóis para a construção da Igreja e Convento de Santo Domingo, original do século XVI e XVII, destruída pelos terremotos de 1650 e 1950, foi o primeiro convento dominicano no Peru.
Qoricancha era o mais espetacular templo Inca e deixou os espanhóis loucos com suas paredes revestidas de ouro.
Para os Incas, o ouro não tinha valor econômico, pois eles acreditavam que se tratava do sangue do Sol derramado pela terra.
Essa visita é interessante já que parte do templo foi aproveitada para construção da igreja e do pátio do convento, onde se pode ver a perfeição da construção incaica.
Há também uma galeria de arte com pinturas sacras feitas pelos nativos que representam Jesus com traços andinos e Maria com uma coroa do Sol e José com a bochecha inchada, ou seja, mascando coca. É uma pena não poder filmar ou fotografar essas obras.

Dali subimos novamente no ônibus e seguimos para Saqsayhuaman um monstruoso templo em homenagem ao Sol, mas diferente de Qoricancha, pois neste não eram praticados sacrifícios.
O que mais impressiona são os tamanhos das pedras que chegam a 130 toneladas e mais de 9 metros de altura. Até hoje é um mistério como conseguiram construir uma obra deste porte que mede cerca de 400 metros de comprimento no alto da montanha.
Durante muito tempo acreditava-se que Saqsayhuaman era uma fortaleza, tamanha a imponência de suas paredes.
A “fortaleza” levou 20 anos para ser construída e foi preciso 20 mil pessoas para a execução dos trabalhos. Destas 20 mil pessoas, 5 mil se encarregavam do transporte das pedras que vinham de 3 km de distância.
De lá se tem uma vista completa de Cusco. Realmente imperdível.

Novamente no ônibus seguimos para o Templo da Purificação das Águas, Tambomachay, que em Quéchua, significa “lugar de descanso”. É um santuário composto por terraços de pedra talhada, pelos quais a água flui de nascentes cobertas pelas paredes de pedras e que talvez servisse como local de repouso do imperador (um SPA da época) e de culto à água.
Há teorias também que dali o Imperador controlava a distribuição das águas que na época era a coisa de maior valor existente.

Ao lado visitamos Pukapukara que significa “Forte Vermelho” e que fica numa colina .
O conjunto de pedra conserva muros, corredores, salas, aquedutos e fontes e é um impressionante estrutura de pedra que se levantam do Vale de Cusco e fica avermelhada conforme a incidência do sol.
O complexo possui vários recintos, praças interessantes e caminhos que serviam como local de descanso e alojamento. No morro atrás se pode ver um caminho que os Incas utilizavam até o Pacífico. Dali até o mar são mais de 400 km e acredita-se que Pukapukara era usada para treinar os jovens guerreiros que eram espalhados ao longo do caminho, separados por cerca de 1km uns dos outros. Desta forma, mensagens e peixes poderiam vir do litoral rapidamente pois cada um corria o máximo que podia seu 1km até o próximo guerreiro.

Os peixes chegavam frescos na mesa do imperador.

Para fechar o passeio fomos até Q´enqo que era usado para mumificação dos nobres.
Uma interessante formação rochosa onde dentro de uma caverna existem uma mesa em pedra para preparação dos corpos que ficavam ali por até 35 dias secando com sal e outros 5 ingredientes, até estarem prontos para voltar à Pachamama... a Mãe Terra.

Nosso tour começou às 14h e foi até às 19h30, custou cerca de S/.100,00 por pessoa (R$58,95), sendo que S/.80,00 são os ingressos para os sítios e S/.20,00 o serviço de ônibus e guia.

As imagens e histórias que ouvimos e gravamos em vídeo ficaram para sempre. Se vier a Cusco, não deixe de fazer esse Tour.

fotos relacionadas
vídeos do roteiro