patrocinado por

4º DIA - PASSEIOS NO CÂNION GUARTELÁ EM TIBAGI/PR

4º dia de viagem
Cidade: Tibagi/PR | Categoria: Diário do Piloto
Postado em: 3/8/2011
Diário de Motocicleta

Nosso dia começou gelado e com o céu encoberto, porém sem chuva!
Se ontem paramos em Campo Largo por que já era noite e não queríamos rodar 200 km a 7C°... hoje teríamos que enfrentar 3C° até Tibagi.

Café da manhã muito bem tomado no Hotel Campo Largo... esperamos o Jeová e o Santana para iniciarmos a viagem do dia.

Ventava muito e já sabíamos que a estrada não seria muito receptiva... mas o que não tem remédio... nos leva a motocar.

E lá fomos nós!

O esquema é bem simples... BR-277 até Ponta Grossa e de lá a PR-151 até Castro e depois a BR-340 até Tibagi.

Na estrada os dedos doíam muito... a luva não segurou o vento gelado que, a 120km/h nos dava a sensação térmica de -9C°... funciona assim, a cada 10km/h a sensação térmica é de um grau a menos... quando estávamos na estrada os termômetros marcava 3C°... rodando a 120km/h... 12 graus a menos.

Cursinho rápido para os Andes (rs).

Eu e a Elda estávamos protegidos com as segunda peles da Go Ahead que mais uma vez fizeram a diferença, sem contar que viajamos com as Botas Mondeo que são impermeáveis e seguram muito bem o vento e o frio.
Eu viajo com um conjunto de cordura da IXON que pode ser adquirida na Marquinho Motos e vale cada centavo de investimento, enquanto a Elda usa uma jaqueta da Joe Rocket e uma calça da Riffel que me deu certo receio, pois se a calça for igual as minhas luvas “impermeáveis”... não recomendo a compra.

Enfim, a motocada foi gelada, mas tranquila e percorremos em pouco mais de 2h30 e, logo encontramos o amigo Newton que voltava pela BR-340 à nossa busca.

Logo que chegamos, fomos até a pousada que ele já tinha pesquisado e depois fomos conhecer o Cânion Guartelá... o sexto maior do mundo em extensão, são 32 km de uma paisagem de encher os olhos e o cartão de memória da máquina digital.

O passeio vale muito a pena e requer um dia inteiro para poder percorrer o parque em todas as suas atrações. Infelizmente não conseguimos ver as pinturas rupestres (pinturas feitas por homens das cavernas), pois necessita de guia que pode ser contratado no Centro de Tibagi, mas mesmo assim fomos conferir o mirante e a ponte de pedra, uma formação rochosa esculpida por uma cachoeira que agora passa por debaixo desta ponte e cai por cerca de 200m.

Além de tempo livre, recomendamos roupas leves e uma mochila com lanche de trilha, uma garrafa de água e muito fôlego, porque percorrer o parque não é trabalho fácil... alguns trechos existem passarelas, mas os melhores pontos da caminhada é no meio de rocha mesmo.

A entrada é gratuita e o visitante assiste um vídeo de 8 minutos antes dos passeios que complementam as informações do que a sua máquina digital vai registrar.

Veja as nossas fotos aqui no Diário de Motocicleta.

A noite fomos tomar um vinho na praça principal, no Gula Lancheria e Restaurante e aproveitamos para fazer umas fotos noturnas de Tibagi.

fotos relacionadas
vídeos do roteiro