patrocinado por

TRAJETO VELHO COM MOTO NOVA

Cidade: Fernandópolis/SP | Categoria: Infos Úteis
Postado em: 2/7/2011
Diário de Motocicleta

Os 1.400kms de ida e volta que me separam da minha filha já foi percorrido umas 37 vezes, o que somam quase 52mil kms que ainda hoje me causam emoção, pois mato e cultivo saudades da minha pequena.


Nesta última viagem, fiz esta velha rota de V-Strom e senti as diferenças reais entre a Shadow 600 e essa nova máquina.

A primeira diferença foi a posição de pilotagem... com a Shelda eu ia deitado, com os pés lá pra frente e braços quase na horizontal devido ao ângulo e altuda do guidon.
Agora preciso me reeducar e sentar com postura mais reta.
Os braços ficam em posição mais diagonal e agora sento a bunda no banco, antes eu sentava as costas (rs).

Essa nova posição me causou certa "queimação" nos ombros e na base da coluna, mas apenas na ida... na volta já estava habituado e creio que não terei grandes dores na viagem para Machu Picchu, mesmo por que não faremos trajetos que ultrapassem 550kms.

Outra coisa que me impactou foi a ciclística e a autonomia da V-Strom.
Ela é uma moto leve de ser conduzida, sem perceber ela atinge 150km/h fácil e não foram poucas as vezes que me dei conta que estava voando baixo.
Com motor silencioso e resposta rápida, a moto acelera e vai embora.

De São Vicente/SP até Fernandópolis/SP são cerca de 670 kms cortando o estado de São Paulo de ponta a ponta, de um extremo a outro onde a Rod. Washington Luiz é percorrida em sua totalidade de retas intermináveis então não tive muitas curvas para deitar, mas outro dia desci de SP para Baixada santista pela Anchieta e notei o quão fácil é pilotar em estrada sinuosa.

A parte da autonomia é quase uma aberração (rs)!
Com a Shelda eu abastecia a cada 180kms no máximo, tocando a 100km/h, nesta velocidade fazia quase 20km/litro e seu tanque de 11lts não me deixavam ficar na estrada muito tempo.
Com a V-Strom e seu tanque de 22lts pela primeria vez na vida pilotei mais de 325kms sem parar.

Ao todo, entre saída e chegada, foram 6 abastecimentos contra 11 com a Shadow... o impacto psicológico é mais forte na bomba de gasolina pois, antes qualquer R$20 pagava o abastecimento, agora estamos falando de R$40 ou mais, no entanto, rodando numa média de 130km/h consumi R$20 a mais que na última vez que fiz esse trajeto de Shadow.


Que venha os Andes!

 

ps: o consumo abaixo era com a Shadow 600cc ok!

 

fotos relacionadas