VAMOS FALAR DE BAGAGEM?

Postado em: 22/2/2010 | Categoria: Fica a Dica
Diário de Motocicleta

Este é um preparativo nada simples de se resolver e quando somado a uma garupa “muié” (rs) e vários dias de viagem, o fator Espaço vrs. Alforge parece piorar o cenário (rs).

Costumo viajar para visitar minha filha que mora há cerca de 700kms de mim e geralmente passo de três a quatro dias com ela.
Já reparei que muitas vezes na volta, quando desfaço os alforges, existem pelo menos duas ou três peças de roupa que sequer foram desdobradas.


Então as feministas podem dizer que não é só problema de “muié” (rs).

Como evitar esse desperdício de espaço?
Não é nada fácil, mas racionalizando um pouco se consegue minimizar a questão.

Vamos ver se é possível montar um padrão.

No caso de uma viagem de vários dias, é preciso analisar quais serão os destinos e a época do ano a se viajar... não preciso dizer que é dispensável moletom se você viajar para Natal/RN em pleno verão não é mesmo? (rs)

Mas antes de separar as roupas a serem usadas nos passeios, eu costumo separar a chamada “roupa de estrada”.
É importante viajar equipado, principalmente embaixo de Sol forte... alguns costumam dizer que não agüentam uma jaqueta de couro no Sol, mas andando, não tem como o vento não entrar pelas mangas da jaqueta, além de proteger de fortes queimaduras do Sol mesmo em dias nublados.

Eu viajo sempre de luvas, camiseta, jaqueta, colete, capacete, calça jeans e coturno... além de proteger do Sol, no caso de um acidente (Deus nos livre), a proteção é muito melhor do que bermuda e chinelo.
Ah! Amarro uma bandana no rosto para proteger da poluição dos caminhões... se você vier para São Paulo, esperimente, se mora aqui, sabe do que estou falando. Depois molhe a bandana e torça a água preta!

Constumo separar esta "roupa de estrada" que será usada em toda a viagem e para ela, separo mais uma calça jeans, duas camisetas e dois pares de meias.
Estas peças serão apenas para a estrada, agora se você possui calça e jaqueta de cordura, está um passo a minha frente. Esses materiais além de relativamente resistente a água (o poblema as vezes são as costuras que vazam), a praticidade de uso é absurda, um pano húmido já permite que ela seja usada novamente.


Como vamos ficar 20 dias viajando, que totalizará cerca de 72h rodando, haverá um momento que vou usar a lavanderia da pousada ou hotel para zera algumas peças... no mais, o que eu precisona estrada já está separado.

No nosso caso, vamos para Salvador/BA, onde vamos andar bastante visitando museus, igrejas, pontos turísticos, praias e afins, então, basicamente bermuda, chinelo e camiseta resolvem a questão masculina.

Para o projeto estamos produzindo dez camisetas (5 masculinas e 5 femininas) com o logo dos patrocinadores e vamos usa-las no dia-a-dia, isso já elimina a questão de qual camiseta levar... no entanto, além dessas peças, pretendo levar mais umas três camisetas sobressalentes. 

Em relação aos calçados, além do chinelo, vou levar um tênis e mais dois pares de meias.
Penso em quarto bermudas e mais uma calça jeans caso alguma noite esfrie e se queira sair mais agasalhado.

Passando a régua na bagagem de roupas masculina temos:

01 Jaqueta de Couro;
01 Colete;
01 Coturno;
01 Chinelo;
01 Tênis;
03 Calças Jeans;
04 Pares de meias;
04 Bermudas;
10 Camisetas.

O que faltou na lista é o que eu não uso!

Para acomodar essas roupas nos alforges, lembre-se que você precisa balancear os pesos.
Eu costumo usar o alforge traseiro para mim enquanto os laterais eu deixo para minha mulher – motivos óbvios (rs).
Outra coisa que costumo fazer e pegar as peças dobradas e fazee rolos com elas. No alforge ocupa muito menos espaço e quando você vai usar, não estão todas amassadas.


No próximo artigo falaremos da bagagem feminina... se couber tudo num artigo (rs)!

veja também

Oferecimento
GIVI do BRASIL

Motoque-se
Dobradinha Atacama com Santiago

Baixe Grátis
Taqueopariu - O outro lado das viagens de moto