PILOTANDO EM ESTRADAS VICINAIS

Postado em: 21/8/2012 | Categoria: Fica a Dica
Diário de Motocicleta

Uma coisa que repeti durante vários anos para minha filha, é que o excesso de confiança tem o poder de quebrar os dentes.

“Se você desenvolver uma técnica de correr sobre os trilhos do trem, faça isso como se fosse sempre a primeira vez, por que no dia que você se achar o tal, no segundo seguinte o dormente será o limite.”

Com motos não é diferente!

Você pode ter anos e km de estrada, mas se não pilotar com atenção e respeito, já era. Os piores acidentes acontecem com “os caras pilotos”, e subestimar a estrada não é a coisa certa a se fazer... você pode conhecer a pista de olhos fechados, mas variáveis como velocidade, ângulo de entrada, tangência e até mesmo o vento fazem da mesma curva uma rodovia completamente estranha e diferente.

Acabamos de receber a informação que três motociclistas chocaram-se de frente com um carro na Serra Rastro da Serpente – SP250 entre Capão Bonito e o Paraná. Rodamos por ela em 2011 quando seguíamos o Caminho do Peabiru rumo ao Pacífico e a estrada é uma delícia, repleta de curvas, muitas delas fechadas e com pouca sinalização.

Não é o intuito deste artigo julgar os envolvidos, mas segundo consta, a primeira moto invadiu a pista contrária, chocou-se com um carro de frente, e este desgovernado acabou envolvendo outras duas motos que vinham logo atrás.

Infelizmente é comum errar a tangência e ultrapassar a linha amarela, tanto carros, caminhões, ônibus e motos. A entrada na curva em alta velocidade, sem saber se ela é aberta ou fechada, apresenta um grau de dificuldade muito grande na tentativa de correção, onde a desaceleração é o primeiro instinto, seguido de frenagem dos pilotos menos experientes.

Parágrafo Único: Em curva não se freia!

Ao longo de muitos km percorridos em estradas vicinais, desenvolvemos alguns conceitos de pilotagem que convém compartilhar com os amigos:

1- Cruzando com veículos grandes – O deslocamento de ar que um caminhão na pista contrária provoca, muitas vezes exerce uma força contra a motocicleta que pode causar descontrole e até mesmo queda, caso o piloto acione o freio dianteiro ou que a moto esteja com pneus carecas. A dica é andar o mais próximo do acostamento possível nessas passagens. O mesmo serve para ultrapassagens de ônibus e caminhões, no meio destes veículos geralmente encontramos uma zona de “vácuo” que pode lançar a moto rapidamente para frente e em seguida desestabilizá-la na zona de “turbulência”. Manter-se o mais afastado do veículo faz uma grande diferença;

2- Manter distância da linha amarela – Da mesma forma que as motos invadem a pista contrária, qualquer veículo no sentido oposto pode fazer o mesmo, e basta um toque no seu guidão para o acidente ser irremediável. Rodar no meio da pista ou mais próximo do acostamento pode lhe salvar a vida;

3- Nunca frear na curva – é quase que instintivo tocar o freio traseiro ou dianteiro na curva, e isso é um grande risco, uma vez que a pressão deste toque pode ser mais forte e se a moto não possuir ABS, uma “alicatada” na pinça de freio pode travar a roda e uma pequena quantidade de areia ou óleo na pista já pode te levar ao chão. Mais vale soltar a mão antes da curva e usar o freio do motor que as pastilhas nos discos;

4- Fazer a curva no seu menor ângulo – Aqui uma dica que pode contradizer os itens 1 e 2, principalmente nas curvas à esquerda, o que certamente te colocarão colado na faixa amarela. Convém observar o trânsito antes de tomar a decisão, mas uma coisa é certa, entrar na curva muito aberto pode te jogar no acostamento ou na pista contrária. Antes da curva (para esquerda ou direita) posicione-se no lado contrário a curva e na medida em que for entrando, leve a moto para o menor ângulo desta... assim você fará a curva “quase que em linha reta” sem a necessidade de frear. Mas atenção, em curvas para esquerda, fique atento aos veículos que vem na outra pista, se um deles escapar na curva, você não terá chances;

5- Use sempre equipamentos de segurança – essa dica poderia ficar de fora, mas lembrar nunca é demais. Quanto mais tecido e proteção existir, mais a pele será poupada. Quem pilota de camiseta, sem luvas e de chinelo tem mais é que perder as unhas.


Aqui, a máxima é o que foi mencionado no início do artigo, o excesso de confiança arranca os dentes, com sorte.

Seja prudente sempre, não beba ou faça uso de drogas antes de pilotar, preserve a vida do próximo como a sua e tenha milhares de histórias para contar aos amigos, filhos e netos.

veja também

Oferecimento
GIVI do BRASIL

Motoque-se
Deserto do Atacama com o Diário de Motocicleta

Baixe Grátis
Taqueopariu - O outro lado das viagens de moto