BAGAGEM DE LONGA DISTÂNCIA

Postado em: 1/12/2011 | Categoria: Fica a Dica
Diário de Motocicleta

Um dos preparativos que mais causam temor em muitos motociclistas, pelo incrível que pareça, é a hora de arrumar a bagagem. Se for para uma viagem de longa distância então... o mundo fica próximo do fim.

Exageros a parte, a tarefa não é fácil, mas com algumas observações pode facilitar em muito o serviço, então seguem algumas dicas de quem já quebrou a cabeça para colocar uma casa dentro da bagagem.

O Clima

Deve-se pesquisar sobre o clima e a previsão do tempo no destino pré-determinado, bem como as variações ao longo do caminho.

Me recordo que quando viajamos de Santos para Salvador em MAI/2010 a lógica foi óbvia, estamos indo para o Nordeste então na bagagem vamos colocar chinelo, camisetas, biquíni (viajo com a esposa – não é para uso próprio) e bermuda... acontece que o tempo anda cada vez mais louco, no Nordeste faz frio e, no verão é comum a entrada de frentes frias.

Pois bem, passamos um frio lascado por conta dessa preparação despreparada, uma frente fria nos encontrou em Salvador, mas antes disso já tínhamos quase que congelado no Interior de Minas.

Verão não significa Sol e calor – isso só acontecia na época das nossas avós!

Reserve sempre um lugar para um moletom e/ou camiseta de manga comprida, valerá muito a pena.

Baús, Alforjes e afins

Quando tínhamos a Shadow 600, usávamos os produtos da MCA Alforjes que sempre nos deixou satisfeitos tanto pela qualidade, como espaço.

Com a V-Strom mudamos para os Baús da GIVI que nos conferiu uma maior praticidade, principalmente na remoção dos Baús da moto e transporte para o quarto de hotel ou pousada.

Nesta última viagem usamos Baús Laterais de 41 litros cada, e o Maxia 55 litros traseiro. No início achamos que era espaço que não acabava mais, até tentar colocar todas as peças de roupas previstas para 52 dias de viagem.

A organização das peças interfere muito na capacidade de armazenamento. Costumamos dobrar as roupas e fazer pequenos rolos, desta forma evita-se que camisetas e calças amassem e o espaço é melhor aproveitado.

Os baús laterais são reservados para as roupas e o traseiro para equipamentos (notebook, filmadora, máquina fotográfica etc.) que ao longo da viagem vai se enchendo de lembranças, desde as compradas em feiras e lojas, até as coletadas no meio do caminho como pedras, areias e águas – sim, colecionamos relíquias.

As roupas

A partir do momento em que adquirimos roupas para viagem – calça, jaqueta e luvas de cordura e botas, não precisamos mais nos preocupar com que roupa pegar estrada, isso tira um volume considerável de roupas, comparando com quem viaja de calça jeans, por exemplo – como fazíamos antes. Nesta situação é preciso pelo menos umas duas ou três mudas de roupas só para motocar e onde é que isso tudo vai? Na bagagem!

Com “uniforme de estrada”, principalmente feitos de cordura, nada que um pano úmido não deixe a roupa limpa e garante mais espaço para levar realmente roupa para passeios. É ai que começa a engenharia.

Em uma viagem de longa distância, você precisa ter em mente que será preciso sair para almoçar ou jantar e fazer passeios por igrejas, museus, parques entre outros.

Assim sendo, duas calças jeans, principalmente de cor escura, é mais que suficiente para 52 dias de viagem, como fizemos em AGO/2011 rodando cinco países da América Latina.

Para esse período, levamos quatro pares de meias cada um a qual lavávamos no hotel embaixo do chuveiro, assim como roupa íntima.

O Deserto de Atacama e Altiplano Andino em especial é tão seco que a roupa seca pendurada no box do banheiro.

Como estávamos indo para a Cordilheira dos Andes, levei chinelo e também coloquei roupas de lã e agasalhos, uma vez que viajando no inverno a previsão era congelante. Mas, como comentei no tópico clima anteriormente, o mundo está maluco e chegamos a pegar 42C° no sul da Bolívia.

Creio que não devo ter levado mais que sete ou oito camisetas, mas me lembro de não ter usado pelo menos duas delas em nenhum momento sequer.

Últimas dicas

Leve roupas escuras, enquanto não estiverem mal cheirosas de suor, a sujeira não aparece! Já viajei com camisetas brancas e é um inferno.

Não encha os alforjes ou baús até a capacidade máxima, pois ao longo do caminho você acabará por abarrotá-los. Quando voltamos para casa fui até a farmácia da esquina para pesar a nossa bagagem. Cada baú lateral pesava 15kg enquanto o traseiro passou dos 20kg.

veja também

Oferecimento
GIVI do BRASIL

Motoque-se
Deserto do Atacama com o Diário de Motocicleta

Baixe Grátis
Taqueopariu - O outro lado das viagens de moto