patrocinado por

AS INSTALAÇÕES DA SUZUKI MANAUS

37º dia de viagem
Dia: 12/9/2013 | Cidade: Manaus/AM | Categoria: Diário do Piloto
Diário de Motocicleta

Quando traçamos pela primeira vez o roteiro do Projeto Rodando as Cidades da Copa e Manaus nos surgiu no mapa, logo surgiu à vontade de visitar as instalações da Suzuki, lugar de onde nasceu minha V-Strom DL 650 com a qual já rodei 80 mil km nestes últimos dois anos. Mas não se trata de um roteiro de passeio imperdível em Manaus, e muito menos existe a possibilidade de visitação à Planta da Suzuki... então saímos de casa com a esperança que nosso pedido enviado por e-mail fosse atendido.

Quando estávamos em Recife/PE os anjos disseram amém em uma ligação no meio da rua.

Só não conseguimos a autorização para visitar a Suzuki, como ganhamos uma revisão mega super top, na qual a nossa moto seria desmontada, analisada e montada novamente.

Pensa num “cabra” feliz! Esse cabra era EU!

Em nosso segundo dia, levamos a motoca para revisão e ao buscá-la ganhei um Tour Guiado pelas instalações monstruosas da Suzuki Manaus.

O lugar é um sonho para qualquer motociclista, apaixonado pela marca como eu ou simplesmente pelas duas rodas.

Quando ouvimos falar em “montadora” temos a impressão que juntam a roda ao garfo, instalam no quadro, colocam o motor e pronto, tudo está em uma caixa à caminho das concessionárias... mas na verdade não é bem assim.

Em Manaus as motos são realmente montadas do zero, parafusos, porcas e milhares de peças chegam ao Brasil em caixas e são montadas uma a uma.
De um milhão de pecinhas surge um motor, uma suspensão, um painel e rodando na linha de montagem, logo vai surgindo o sonho de milhares de apaixonados por liberdade.

Na planta da Suzuki existem duas linhas de montagem simultâneas, uma para baixa cilindradas e outra para altas.

No início da esteira das baixas cilindradas existe a soldagem dos quadros que vem em partes e depois de montados são pintados. O quadro das altas já vem montados.

Os quadros prontos e numerados começam a receber as primeira peças e vão ganhando cada vez mais e mais partes que são instaladas e testadas por aproximadamente 500 funcionários treinados em cada área.

Os motores são montados na linha e fechados, recebem óleo e os primeiros testes mecânicos sem combustível.

Ai vem às rodas, suspensão, parte elétrica, painel, carenagens, tanque, fluidos e bingo, nascem máquinas que servirão para trabalho, lazer ou ambos.
Todas as motos passam pelo dinamômetro para testes de velocidades e embreagens e após minuciosa verificação entram na linha de embalagem, onde a cada 10 minutos uma moto sai pronta para ser despachada para as lojas.
Eu acho que eu já disse isso... o lugar é um sonho!

Na minha visita presenciei a montagem da YES 125 e da Gladius com quadro vermelho... linda.

Esta planta é relativamente nova, as instalações foram inauguradas em meados de 2010, o que garante que um dia, minha DL 650 surgiu de um monte de peças em caixas e me proporcionou rodar por seis países da América Latina e agora o nosso imenso e continental Brasil.

Dois anos depois minha motoca retorna à maternidade para uma revisão na hora certa, quando estamos praticamente no meio da nossa viagem.

Foi uma experiência inesquecível estar ali, e sair com a moto redonda, afinada como se fosse zero, só abriu mais o apetite para rodar mais!

Bora motocar.

fotos relacionadas